Busca

Catarina, fala e conta.

Um acervo de idéias e palavras soltas sobre a vida de uma universitária ora dona de casa ora saqueadora de bibliotecas.

Surpreende-me

Surpreende-me.

Os discursos tão vazios na caixa de Pandora também chamada de caixa de comentários mostram cidadãos preocupados com o sistema educacional e o descaso com professores, os quais chamam respeitosamente de “mestres”. dedicam linhas a falar sobre como na China os professores são respeitados e que “em seu tempo” coisas assim jamais aconteceriam. falam da agressão sofrida e denunciada por uma professora recentemente. de como os pais não educam mais as crianças e poucos se importam com aquelas, apenas querendo larga-las rapidamente no depósito chamado escola.

Continuar lendo “Surpreende-me”

Anúncios

Metendo a colher na sopa dos outros

O que acontece quando aquele casal que todo mundo achava super legal e que era exemplo nas rodas de amigos se separa? Será o fim do amor romântico? Você acha que eles devam continuar juntos porque você precisa ver eles juntos? Vamos meter a colher nesta sopa que não é nossa e conversar sobre os términos – dos outros, claro.

Continuar lendo “Metendo a colher na sopa dos outros”

Razão

Tu tem razão de querer ir… Realmente, não sou mais eu mesma.

Em algum momento nesse um ano deixei de fazer os meus planos, parei de correr atrás dos meu sonhos sonhos e de planejar algo para mim mesma. Tua presença me deixou tão confortável, mas tão confortável, que eu simplesmente parei de querer algo a mais para mim: tu me bastava. Na vida. No presente. No futuro.

Continuar lendo “Razão”

Cartografia celeste dos teu olhos

São olhos. seus olhos. olhares. segredos.

São desejos. escondidos. enterrados. abandonados.

São profundos. tão intensos e castanhos como os teu olhos. e tão quentes como as tuas mãos.

Continuar lendo “Cartografia celeste dos teu olhos”

Que seríamos se fosse

E o único som que se ouve é do vento a soprar, sussurrando segredos, sonhos e desejos; sussurrando a velha batida de nossos corações, de nossas almas; fazendo música ao misturar seus gritos com meus gemidos, nossa respiração com o universo, nós com o todo.

Continuar lendo “Que seríamos se fosse”

Um ano de blog. um ano de poesia.

Um ano de blog.

Um ano de palavras correndo linhas e ganhando mundos, reencenando história e criando fantasias vividas. Refletindo valores, pessoas, pessoas-valores. Domando pensamentos que corcoveiam em sentimentos do além.

Continuar lendo “Um ano de blog. um ano de poesia.”

Amor liquído

Raramente falo sobre isso mas algumas vezes é tão lindo que ultrapassa os limites do meu não dizer. Essa noite tive um sonho que até acordar e retomar a consciência me parecia estranho: diversas mulheres, amigas e conhecidas, me davam conselhos sobre a vida enquanto eu me arrumava como se para um casamento. Sim, eu era a noiva a receber conselhos.

Foi um sonho lindo.

Continuar lendo “Amor liquído”

Tempo(S)

O tempo é sempre um brinquedo nas mãos humanas. Corrijo, ele é como a argila nas mãos do artista, ganhando formas e formatos variados, decorado ou não, se molda para se transformar. Assim conforme fomos mudando nosso jeito de ser e pensar, fomos mudando também nosso meio de contar e recortar o tempo, deixando-o as vezes ao avesso do que deveria ser.

Continuar lendo “Tempo(S)”

Escravas, prostitutas e o Brasil político de 1871

      Enquanto a sociedade brasileira discutia a Lei do Ventre Livre – com suas aplicabilidades, desgostos e sabores – e uma visão de abolição da escravatura brilhava nos horizontes destas terras tropicais – um pequeno nem tão novo negócio choca a sociedade: “o imoral escândalo da prostituição de escravas” como é citado no texto Visões de Liberdade (1990).

Continuar lendo “Escravas, prostitutas e o Brasil político de 1871”

Site no WordPress.com.

Acima ↑