Muitos pensam que gatos e apartamento não combinam, contudo para quem não tem como alugar uma casa – meu caso – um apartamento é um ótimo saída. O apartamento em que eu me encontro atualmente é chamado de kitnet, por causa de seu tamanho reduzido, o que trás algumas desvantagens para quem tem mais de um animalzinho de estimação. Mas como aqui em casa é coração de mãe, a gente foi ajeitando para caber todos os quatro gatos e mais dois humanos.

Quando nos mudamos para a União Kitnética – jogada com União Soviética hehe –  estávamos apenas em quatro, dois humanos e dois gatos, contudgatinhos-apartamento-telas-de-protec3a7c3a3o-3o em meio a mudança uma de nossas gatas deu a luz a cinco adoráveis gatinhos. Desses cinco, ficaram dois conosco e os demais foram entregues para adotantes. Então, dias depois da mudança tivemos um aumento gigantesco no número de gatos aqui da União, o que acabou nos gerando alguns gatos, ops, gastos extras e não conseguimos colocar as telas de proteção, item essencial para quem mora em apartamento e tem animais de estimação ou crianças.

Hoje, os habitantes felinos da União Kitnética são: Balalaika (primogênita e mãe de todos os gatos), Serena Valetinha (a segunda da família, negra com olhos verdes lindos e mãe dos filhotes), ‘Catzarina’ Catarina (filha da Valetinha e dominadora do canto esquerdo da cama) e, por último e nem por isso menos importante, o Josephel Staline (filho da Valetinha, recebeu o nome em homenagem ao Zé do Caixão e de Stalin). Balalaika e Serena são minhas filhas adotivas, meu companheiro já as tinha quando nos conhecemos.

Apesar do pouco território, os quatro vivem bem. Parte deste sucesso é o fato de quase todos serem castrados (faltam um dos filhotes, explico melhor em outro post), uma boa alimentação com água corrente sempre a disposição e por alguns brinquedos que eles têm ou que acham que têm.

Gatos são animais fantásticos, sabem amar de forma muito mais saudável que nós humanos muitas vezes; eles não gostam de grude, são independentes e levam suas vidas da melhor forma que lhes convém mas não se negam de pedir e nem de dar amor. São seres muito sensíveis e tê-los em casa é uma grande honra.

Nunca antes de morar sozinha eu tinha tido a oportunidade de ter gatos em casa e este sempre fora meu sonho, hoje posso dizer que sou realizada: tenho gatos com personalidades incríveis e diversas, tem os que são de colo e os que querem colo só as vezes. Apesar de todo o pelo e de nunca mais ter conseguido pegar um sacola plástica sem transformar isso numa caçada, não consigo mais imaginar minha vida longe destas figuras aqui. A nossa União Kitnética só existe por causa deles, senão seria somente mais um casal morando em um kitnet no meio da cidade, nada diferente de muitos outros por aí.

Anúncios