Durante: a vida

sou feita disso.

Me vejo água.

Quando transbordo. quando me torno tão pequena perto dos sentimentos líquidos que habitam em mim. quando me percebo cheia, mas tão cheia de mim e de todos que escorro por algum canto. e choro.

Quando calma, escondo os profundos vales submersos da minha alma. alguns tão escuros e profundos que nem ouso investigar. outros, claros. é de onde eu broto em fonte viva.

Quando escorro. pelo teu corpo, líquida em prazer. pelos meus dedos, autossuficiente. saindo de fininho, sem ser vista. ou quando sem ser vista, vou chegando.

Quando inundo. sem sutileza. rápida, constante e livre.

Quando emerges. tua cabeça das minhas coxas, escorrendo dos teus lábios. eu.

Quando mergulhas. procurando descobrir o que meus vales escondem. procurando o tesouro que vês da superfície. mal sabendo que minhas águas não são seguras para os que não sabem se afogar.

@Catarinacandasa.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s