Um ano de blog.

Um ano de palavras correndo linhas e ganhando mundos, reencenando história e criando fantasias vividas. Refletindo valores, pessoas, pessoas-valores. Domando pensamentos que corcoveiam em sentimentos do além.

Um ano que as palavras escritas tornaram-se meu refugio e meu tratamento, prisão e campo aberto para um peito que transbordava e para uma cabeça que enlouquecia. Um ano que as palavras “as mulheres deveriam escrever mais. nós deveríamos escrever mais!” transformaram-se  verdade. Em razão, além dos discursos e fanfarronices acadêmicas.

Nesse um ano tantas coisas mudaram e meus textos foram reflexo disso: o que no início era uma refúgio para os textos acadêmicos e facebuquianos , aos poucos foi ganhando ares mais descontraídos e fantasiosos, foi colorindo um mundo que de tão cinza parecia mais um daqueles títulos da sério ~famosa~ de romance erótico (vocês sabem ao qual estou me referindo e vou confessar, já vi livros infantis mais eróticos que aquele mas isso é detalhes e textos para outro dia…) e foi assim até que Catarina virou meu segundo nome na vida real também, até que eu parei de me esconder de mim mesma e fui viver lá fora como vivia aqui. E meus textos demonstram isso. Eu demonstro isso. Aliás, eu transbordo isso. 

Hoje, relendo alguns textos me pergunto como eu pude ser, ver ou entender determinados acontecimentos da minha vida daquele modo mas, ouçam-me crianças, essa reflexão só foi possível graças a este blog. a esta vida vivida, escrita, sonhada e realizada aqui.

A literatura foi a salvação dos coloridos. e de mim.

Agradeço a todas e todos que acompanham meu pequeno mundo, que vez ou outra té gostam das minhas palavras. Obrigado do fundo deste pequeno coração literário que vocês ajudaram a salvar.

Um ano de blog.

Um ano de muito amor.

 e poesia.

Anúncios